quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

SINTE-PI DIZ QUE VIOLÊNCIA CONTRA PROFESSORES AUMENTOU NOS ÚLTIMOS ANOS

Crédito da matéria: Portal O Dia
O Piauí registra cerca de 48 casos de violência nas escolas públicas por mês. É o que aponta o levantamento realizado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica do Piauí (Sinte/PI).
Somente em 2016, foram quase 600 casos em pouco mais de sete meses, número quatro vezes maior do que o registrado no ano de 2013, quando houve 136 ocorrências. Dentre os registros, os mais comuns são agressão física, furtos, ameaças, arrombamento, uso de drogas, apedrejamento, assaltos, entre outros. Somente nos últimos 15 dias, três casos de violências nas escolas, com agressão fí-sica a professores, foram registrados.
Um deles ocorreu semana passada, quando uma aluna agrediu fisicamente a diretora da Unidade Escolar Firmina Sobreira, na zona Norte de Teresina. O estudante teria se irritado diante das advertências acerca do fardamento inadequado. Já no começo do mês, um professor foi esfaqueado um dia depois de ter impedido uma aluna de colar em uma prova, na Escola Municipal Professora Cristina Evangelista, no bairro Três Andares, zona Sul de Teresina.
Segundo Paulina Almeida, presidente do Sinte-PI, essas situações acabam desestimulando os professores de realizarem seu trabalho e podem ocasionar a evasão escolar dos alunos, devido ao medo e a constante sensação de insegurança. Para Paulina, o poder público deve criar políticas públicas com o intuito de minimizar ou acabar com os casos de violência nas escolas.
“A nossa luta é por escola de qualidade, socialmente referenciada, e não um ambiente desse. Profissionais procuram segurança pública. Temos buscado conversar com esses profissionais e reafirmamos que repudiamos esse tipo de violência”, afirma a presidente do Sindicato.

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

POLITICA EM DEFESA DOS DIREITOS DAS MULHERES: Ônibus Lilas na comunidade corredores

Comunidade Corredores participa de evento com o Ônibus Lilás 

A Prefeitura Municipal de Campo Maior, realizou na manhã dessa terça-feira (12 de dezembro) mais uma ação da campanha dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres. A ação aconteceu na Comunidade Corredores, zona rural do município.
Através da Secretaria de Assistência Social - SEMAS e da Coordenação de Política para as Mulheres, o Ônibus Lilás, foi até a comunidade Corredores para fortalecer a campanha de combate à violência contra a mulher. O ônibus provoca a união entre vários profissionais para encorajar as mulheres a fazer a denúncia de violência.
Prefeito Professor Ribinha
Para demonstrar o comprometimento da gestão no combate à violência contra a mulher, o Prefeito Professor Ribinha e a Secretária de Desenvolvimento Social, Nilzana Gomes, participaram de todo o evento que reuniu uma quantidade significativa de pessoas da região.
Para Ribinha, a questão da violência contra a mulher tem ganhado cada vez mais notoriedade no Brasil e no mundo. Com o objetivo de levar informação sobre o tema, o ônibus lilás é uma ótima ferramenta. Queremos que a mulher se sinta valorizada. A gente vê que tem solução”, pontuou em sua fala.
Secretária Nilzana Gomes
Nilzana Gomes afirmou que  "debater sobre esse assunto é fundamental, principalmente para a conscientização da população, que ainda é mal informada sobre um assunto tão grave", por isso a presença do Õnibus na localidade.
Com a articulação de várias secretarias municipais, a Semas e a Coordenação das Mulheres, contou com parceiros como a OAB e o Governo do Estado, no desenvolvimento da ação, demonstrando a importância do tema.
Coordenadora Luzia Pereira
Segundo a Assistente Social Luzia Pereira, Coordenadora de Política para as Mulheres, a atuação da Prefeitura de Campo Maior por meio da Coordenadoria, visa acolher as mulheres em situação de violência com o atendimento psicológico e demais encaminhamentos. “Todo o trabalho de acolhimento depois que a mulher faz a denúncia é importante, para que ela possa vencer os desafios”, disse.

NATAL DE CAMPO MAIOR



Começa no próximo domingo, 17 de dezembro, a maior e mais bela festa de Natal do Piauí. O Natal Campo Maior vai ocupar a Praça Valdir Fortes, às margens do Açude Grande, em uma festa de luz e cores que  promete "fazer nevar" na terra dos carnaubais. O evento, que seguirá até o dia 06 de janeiro, espera reunir mais de 20 mil famílias, movimentando a economia local, gerando emprego e oferecendo à cidade uma nova perspectiva de desenvolvimento através do turismo.

Pensado para encantar crianças e adultos, o Natal Campo Maior vem sendo planejado há dois anos e é inspirado em festas como as realizadas em Gramado (RS), Campos do Jordão (SP), Curitiba (PR), Petrópolis (RJ), que todos os anos atraem milhões de turistas do Brasil e do mundo. Desenvolvido pelo Instituto Galaxy, em parceria com a Agência Oxente, o projeto reúne uma equipe de mais de 40 pessoas que foram conhecer de perto a experiência dos grandes natais do país, trazendo para o Piauí o que há de melhor em luz e cenografia natalina.

O Natal Campo Maior terá entrada gratuita, com programação sempre a partir das 17h. Uma das grandes atrações do evento será a Casa do Papai Noel, aberta à visitação com peças em tamanho real e climatizada. Os visitantes vão se sentir no Polo Norte e poderão ainda tirar foto com o "bom velhinho". 

NEVE EM CAMPO MAIOR
No espaço de 2.000 m² do Complexo Valdir Fortes haverá ainda palco para apresentações artísticas, estandes de artesanato, praça de alimentação, fábrica de brinquedos cenográfica, túnel de luzes, presépio gigante e uma árvore de Natal com 15 metros de altura. Destaque ainda para o cenário de fotografia com neve artificial, atração que promete encantar.

Além do complexo, a orla do Açude Grande grande também vai receber iluminação especial, atraindo os turistas que passarem pela BR-343.

"Nós trouxemos o Natal clássico e toda a sua magia. Crescemos vendo o Papai Noel na televisão e em filmes que mora no Polo Norte, com muita neve. As crianças esperam isso do Natal e é isso que vamos levar para Campo Maior. Vamos fazer nevar em Campo Maior. A própria casa do Papai Noel é climatizada, para as pessoas se sentirem no frio do Polo Norte. E ainda adaptamos o regionalismo, já que o trenó do Papai Noel é puxado por garças, típicas do nosso açude grande. Além disso, o nosso baião de anjos vai tocar músicas natalinas em ritmo de forró, reforçando essa marca da nossa cultura", explica Helderlaine Eugênio, diretora-geral do Natal de Campo Maior.

O Natal de Campo Maior tem apoio do Governo do Estado, através da Coordenadoria de Comunicação e da Secretaria de Cultura, Prefeitura de Campo Maior, Secretaria de Turismo de Campo Maior, Assembleia Legislativa do Piauí, Hot Sat e 180graus.

SERVIÇO
Natal Campo Maior
Local: Complexo Valdir Fortes | Açude Grande | Às margens da BR-343
Data: 17 de dezembro de 2017
Hora: 17h

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Regina Sousa em alta pelos serviços prestados aos Direitos Humanos



EM ALTA - A senadora Regina Sousa (PT-PI) foi agraciada com duas importantes homenagens nesta quinta-feira, 07, a Comenda da Ordem Piauiense do Mérito Judiciário do Trabalho, grau Grã-Cruz, durante a solenidade de comemoração dos 25 anos de instalação do Tribunal Regional do Trabalho no Estado.

Prêmio de Direitos Humanos, honraria concedida durante o Seminário Estadual de Direitos Humanos realizado pela Diretoria de Direitos Humanos(Dudh) da Sasc. A petista é a atual presidente da Comissão de Direitos Humanos no Senado Federal.

sábado, 2 de dezembro de 2017

Professor esfaqueado na sala de aula por aluna é matéria nacional

Repercutiu nos grandes veículos nacionais de comunicação a violência contra um professor em sala de aula. Proibida de continuar a prova por ter sido flagrada "pescando", uma aluna do EJA da Escola Municipal Cristina Evangelista, no Bairro Três Andares, sul de Teresina, armou-se de uma faca e tentou ferir o professor. 

A aluna após desferir um golpe de faca na mão do professor, foi contida pelos alunos, que a retiraram da sala de aula.

Segundo a Semec (Secretaria Municipal de Educação), na noite anterior, a estudante, que cursa o EJA (Educação de Jovens e Adultos), foi flagrada colando e foi proibida pelo professor de continuar a responder a prova. Insatisfeita,no dia seguinte, ela foi armada com uma faca peixeira para escola e atacou o professor dentro da sala de aula.

Os casos de violência contra docentes em sala de aula no Piauí tem crescido assustadoramente, levando a categoria a ter receio de ministrar aulas em determinadas unidades escolares, quando é visível a violência no entorno da escola.

No caso da estudantes, embora maior, teve seu nome preservado pela Secretaria de Educação, bem como o nome do docente.

A família da aluna já foi avisada que a mesma será transferida, bem como o professor, que após o episódio, ficou abalado emocionalmente, além da ameaça da aluna que afirmou que matará o professor quando o encontrar.